Tutorial: como ser uma Princesa e General e chutar a bunda de 2016


“A morte é uma parte natural da vida. Feliz fique por aqueles que na Força se transformam." Yoda
Não há a morte, há a Força. Mas embora muitos admirem as qualidades e desprendimento característicos dos jedi, é difícil pôr em prática. É tanta dor e revolta com a perda da Carrie que eu, e muitos e muitas, já teríamos ido pro lado negro sem nem ver. 
Só um fã entende a dor de outro fã. E nós, fãs de Star Wars, sabemos que somos uma espécie à parte porque amamos demais, sentimos demais, qualquer coisa relacionada à saga. E na minha concepção, não tinha perda pior pra acontecer no elenco. Sendo fã e sendo mulher, eu sei, e tenho certeza disso quanto a outras milhões de fãs, que pra nós, desde quando descobrimos QUEM era a atriz por trás da Princesa Leia, e seu nome, Carrie Fisher, a admiração e o carinho duplicaram. O que era pra uma passou a ser direcionado pras duas. E a própria Carrie já chegou a dizer: "I am Leia", tamanha era a identificação com sua personagem mais icônica. 
E nós entendemos completamente. Porque pra gente não eram simplesmente uma atriz e personagem queridas. Pra nós elas significavam toda a coragem, força, ousadia, bravura, determinação. Um símbolo de lutar pelo que se acredita. Um símbolo de não se deixar abater. De ir em frente. A princesa que mostrou que não precisava ser salva. Carrie sempre deixou isso claro, tendo sido ativista pelas doenças mentais e pela defesa dos direitos das mulheres. Além de atriz era escritora e roteirista, tendo vários livros de sucesso, sabia rir de si mesma, era bem humorada e ao mesmo tempo era muito crítica. 
E Leia era a esperança da galáxia, caso com Luke não funcionasse. Ela era a escolha sobre a qual Obi-Wan e Yoda conversaram. Leia sempre foi forte na Força, tanto quanto o irmão. Ela, que passou por tanta coisa e nunca sucumbiu ou foi por um segundo pro Lado Negro. 
Assim é com a Princesa e General Leia e assim foi com Carrie. 
Agora ela (e sua mãe, Debbie Reynolds) é una com a Força. E nós só podemos continuar a almejar e nos inspirar nela, pra seguir, tendo esse legado de força, rebeldia e resistência bem gravados na mente e no coração. 

E, principalmente, comemorando que esse ano terrível vai embora logo, que possamos usar o exemplo de Carrie, da Princesa e General Leia pra enfrentarmos 2017 com toda a força que tivermos, e que A FORÇA esteja conosco.

Comente com o Facebook:

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI