Resenha: O Nome do Vento

AI GENTE. Fiquei muito away do blog esse mês por motivos de FAZER PROJETO DE MONOGRAFIA. Mas fiz tudo em um dia só, thanks Goddess (e ao namorado). Então, atrasadamente venho trazer a resenha de O Nome do Vento, cortesia da sempre maravilhosa Editora Arqueiro.

Autor: Patrick Rothfuss
Editora: Arqueiro
Páginas: 656
Nota: ★★★
Da infância numa trupe de artistas itinerantes, passando pelos anos vividos numa cidade hostil e pelo esforço para ingressar na escola de magia, O nome do vento acompanha a trajetória de Kvothe e as duas forças que movem sua vida: o desejo de aprender o mistério por trás da arte de nomear as coisas e a necessidade de reunir informações sobre o Chandriano - os lendários demônios que assassinaram sua família no passado.Quando esses seres do mal reaparecem na cidade, um cronista suspeita de que o misterioso dono da hospedaria, Kote, seja o personagem principal de diversas histórias que rondam a região e decide aproximar-se dele para descobrir a verdade. Pouco a pouco, a história de Kvothe vai sendo revelada, assim como sua multifacetada personalidade - notório mago, esmerado ladrão, amante viril, herói salvador, músico magistral, assassino infame. Nesta provocante narrativa, o leitor é transportado para um mundo fantástico, repleto de mitos e seres fabulosos, heróis e vilões, ladrões e trovadores, amor e ódio, paixão e vingança.

Quer ganhar essa capa pra livros linda? Veja como aqui
Primeiro comentário: CHEIRO DELICIOSO ♥ Já tinha visto esse livro num café da minha cidade (aqui só tem ele e mais um outro onde vendem livros, olha a situação...), mas foi em 2011 ou 2010, sei lá, e acho que a edição era diferente, com aquele papel amarelado fininho e mais leve que tem um pouco de cheiro de jornal. Mas essa edição novinha foi devidamente MUITO cheirada, porque o papel é aquele também amarelado mas diferente, que faz o livro ficar mais pesado MAS É MAIS CHEIROSO TAMÉM, entonces não ligo de ser pesado haha.
Tinha pegado e não me interessado, mas li algumas resenhas animadoras, vi a nota boa no Skoob e acabei escolhendo ele quando fui solicitar um novo livro pra resenha. Então, tentarei ser rápida porque o livro é imenso...

O Nome do Vento é o primeiro livro de uma trilogia (o 2° volume já foi lançado faz tempo) chamada As Crônicas do Matador do Rei. O subtítulo "Primeiro Dia" é devido ao fato de Kvothe, ou Kote, como se disfarça, contar sua história a um escriba. Três dias ele leva contando, e cada livro é um dia.
A história de Kvothe conta a sua infância com os pais e sua trupe andarilha, os Edena-Ruh. Misteriosamente todos são assassinados e mais tarde ele descobre um motivo: O Chandriano, um terrível grupo demoníaco e  MUITO, irracionalmente mau, que todos achavam ser lenda. 
Da infância pobre e órfã, Kvothe consegue ir para a Universidade a fim de estudar e se tornar arcanista. O esquema todo da Universidade e das simpatias achei bem legal e MUITO complexo. Não é de surpreender que o autor tenha levado 7 anos escrevendo este primeiro livro... Há matérias que ele próprio inventou, explicações científicas e mais um monte de coisas que dão veracidade e realismo à tudo.
Na Universidade Kvothe tentará descobrir mais sobre o Chandriano e fará amigos. Gostei muito deles e de sua relação com Kvothe, só acho que poderiam aparecer mais.

Entre tudo isso, as qualidades de Kvothe se destacam (e isso é meio chato): ele é absurda, imensa e surtadamente inteligente. Além disso, tem um talento sobrenatural para música. Faz sucesso com as mulheres mesmo não tendo qualquer experiência, é todo corajoso, espertalhão e coisa e tal. Como se não bastasse, tem incríveis olhos do verde mais verde que, king of all clichês, MUDAM DE COR (isso não existe gente...),  e cabelos mais vermelhos que fogo e blá blá blá. Porém ele não é exatamente metido demais, não se acha, e isso acaba fazendo não tomar raiva pelo personagem. Tem também o fato de ele viver se ferrando (e antes de entrar na Universidade, muito muito muito e demais), dá uma certa pena e se fica o tempo todo pensando: "MODAFOCKA, como pode???!!!"
Daí quando ele entra na Universidade o aprendizado das matérias é o mais legal. Uma delas, a Nomeação, consiste em descobrir o ~real~ nome das coisas, e assim controlá-las de verdade. Daí vem o nome do primeiro livro... O que eu acho que não casou tão bem porque eu queria que essa disciplina tivesse aparecido mais, mas enfim.

Um dos professores que a ensina, Elodin, foi um dos meus personagens preferidos do livro, assim como Bast (seulymdo!), um discípulo de Kvothe, pertencente a uma raça mágica e perigosa, que mora com ele na taberna. Kvothe não é taaanta coisa, assim como as personagens mulheres, que achei todas bobas, caidinhas pelo Kvothe (uma se jogando e outra enrolando) e sem motivação. Denna, a que fica enrolando, aliás, é a que me deu mais raiva e que, infelizmente, mais apareceu. É o tipo de garota chata que sabe que o cara gosta dela, gosta dele de volta mas fica enrolando e não dá confiança. A Auri, a menina misteriosa que mora no subterrâneo da Universidade, é até legalzinha, mas infelizmente não aparece tanto.
Na verdade o que notei foi que nenhuma mulher tem papel muito relevante na história (exceto Lyra, uma personagem de uma lenda religiosa antiga)... Todos os professores são homens, Kvothe é homem e com 99% de amigos homens, seu principal inimigo, Ambrose, é homem, e ele procura pelo Chandriano, que me pareceu um grupo formado só por homens. 

Tirando isso, que me incomodou bastante, é um ótimo livro, com muita ação, sempre te deixando na expectativa. Os capítulos são curtos então a leitura flui leve e rápida. Só fui achar que tinha um pouco de enrolação lá pelo fim quando ele e Denna, depois de investigar mais sobre o Chandriano, acabam fazendo uma caçada a uma outra coisa (essa parte toda achei totalmente desnecessária).
Mas a parte da religião é muito bem desenvolvida, com históricas bacanas (apesar de eu ter achado muito parecida com a história de Jesus) e criativas. Além desse desenvolvimento, tem toda uma parte política, histórica e sociogeográfica, um calendário completo e um sistema monetário bem complexo, mas nada que torne chata a leitura, pois as informações vão sendo acrescentadas aos poucos na história, e há mais no apêndice de 1 folha no fim do livro.

Como se não bastasse toda a parte bem construída e complexa, além de ter me deixado muito curiosa sempre querendo ler pra ver o que aconteceria, o autor escreve de maneira LINDA. Putaquepariumente linda! Às vezes soava tão poético, com uma sensibilidade, que parecia até uma mulher escrevendo haha... O invejei profundamente e com certeza toda essa poesia faz da leitura de O Nome do Vento uma experiência, apesar de alguns defeitos, muito prazerosa (além de contar com várias passagens irônicas e engraçadas). Eu não sabia o que estava perdendo demorando tanto tempo pra lê-lo, e agora não vejo a hora de pegar a continuação! *_* A história, com tanta complexidade e um mundo REALMENTE bem construído, acaba tendo mais força que os personagens em si, e te faz querer ficar ao lado de Kvothe pra saber mais sobre o Chandriano (esse troço me deu medo de verdade...) e como vingar seus pais e o resto da trupe. Ler O Nome do Vento dá a sensação de ser englobada num mundo de informações e coisas totalmente novas, uma aventura mesmo. Posso ter a ousadia de comparar com O Senhor dos Anéis e As Crônicas de Gelo e Fogo na questão da complexidade do mundo criado, com a diferença que Kvothe é o personagem principal, e não há foco separadamente nos secundários. 

Estou ansiosíssima pra ler o segundo volume, chamado O Temor do Sábio, porém temo que ainda vá demorar um pouquinho por causa da fila literária física (3 livros + releitura dos 4 As Brumas de Avalon) e mais a de lista, que é imensa. 
Quem tiver parceria com a Arqueiro então, NÃO HESITE em pedir O Nome do Vento! *_* É aquele tipo de livro que ainda na metade você já vai ficar se perguntando porque não leu antes...

Bisous! 

Comente com o Facebook:

Um comentário:

  1. Jun!

    Eu já tinha visto este livro no site da arqueiro mas nem botei muita fé nele rs Agora esses seus comentários hilários até me deixaram com vontade de ler *-* È uma pena que as mulheres do livro sejam broxantes hahahahahha

    Btw,ODEIO essas personagens "que sabe que o cara gosta dela, gosta dele de volta mas fica enrolando e não dá confiança" u.u

    Beijos mil :*

    ResponderExcluir

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI