Resenha: O Resgate do Tigre

Dei um pé na preguiça e voltei depois de uma semana, epic win! Mas é porque, fico até feliz de constatar isso, minha leitura voltou a fluir melhor. Não está como antes mas agora que recuperei um pouco do ânimo dou meu jeito pra conseguir de novo ler um pouquinho todos os dias. E a resenha de hoje é do aguardado O Resgate do Tigre AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA  ♥ #fangirlassassina É a continuação do primeiro, A Maldição do Tigre (resenha aqui).
Lembro de ter comprado o livro em maio, pouco depois do lançamento, mas tinha outros pra ler primeiro, e quanto melhor parece ser o livro (um primeiro volume, ou como esse, uma continuação que te faz roer a testa de curiosidade), mais eu enrolo pra ler, ONLY GOD CAN JUDGE ME. A boa notícia (ou ruim, não sei, pois não vou esperar ansiosa tanto tempo) é que o 3° volume da série sai já mês que vem.
Hoje eu estava indecisa sobre postar a resenha ou a receita de um pavê de limão que fiz ontem (enquanto assistia ao último capítulo de Gabriela - fiquei órfã! ;o;), mas optei pela resenha porque estava coçando pra escrevê-la, deixo a receita pra outro dia.
Aviso: esta resenha, invariavelmente vai conter spoilers do livro anterior, então, se você não o leu, sugiro que leia a resenha E DÊ UM JEITO DE LER O LIVRO PORRÃN! 

Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 430
Título original: Tiger's Quest
Nota:  ★★★★ - LEIA FDP!
Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d'água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren –, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey. Em O Resgate do Tigre, a aguardada sequência de A Maldição do Tigre, os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.
Observação inicial: essas capas são lindas DEMAIS, shorei sangue só de abrir depois que chegou pelo correio. 
Bem, o negócio então foi o seguinte: Kelsey, no livro anterior, do alto de sua desvalorização-ele-é-bom-demais-pra-mim dá o fora da Índia depois de conseguir desvendar a primeira profecia da deusa Durga e resgatar o primeiro presente, dando a Ren e Kishan 6 horas do dia como homens.
Ela então volta pro Oregon, e descobre que, mesmo após o rompimento doloroso com Ren, ele faz questão de exageradamente lembrá-la de sua existência, através de carro muito caro, casa cara, faculdade cara, celular caro e uma gorda conta bancária com um cartão de crédito que obviamente não seria pago por Kelsey. Incomodada com tudo isso, ela acaba aceitando, sob as alegações do Sr. Kadam de que é só parte do pagamento pelo que ela fez pelos príncipes na Índia. 
E aí, quando tudo ia aparentemente bem, e Kelsey depois de uns malfadados encontros (partes hilárias do livro) até consegue arrumar um cara legal e que gosta dela, Li, seu professor auxiliar de Wushu, tudo pra enganar a si mesma pela falta que sente de Ren. Então, num dia de Natal na casa dos pais adotivos, ele volta. Deixa Kelsey sem ação, e depois de saber dos encontros, acaba concordando que ela deve continuar com eles, pois ele, modesta e humildemente, quer marcar encontros também e deixar que ela mesma escolha, pois ele obviamente sabe que será escolhido. 
E aí começa o plano de conquista mais fofo e engraçado dos últimos tempos. Bilhetes escondidos, encontros com hora e duração marcados, regras rígidas pra não se ver fora destes horários (embora Ren estivesse morando na casa colada à de Kelsey), e aí, quando tudo parece estar indo bem, com ambos curtindo o namorinho, frequentando a faculdade tranquilamente e blá blá blá, pra estragar melhorar tudo, KISHAN CHEGA NO PEDAÇO ♥♥♥
Olha, eu até agora, mesmo depois de ler o segundo livro, estava tentando me manter em cima do muro e ainda não escolher ninguém, MAS AQUELES CORASAO ALI EM CIMA MIN DENUNCIARAM, e nem eu até agora estava pensando dessa maneira. 
E aí morando na casa junto com Ren, e obviamente também gostando de Kelsey, as coisas ficam mais complicadas e engraçadas ainda. Kishan, de fachada é debochado, descarado e implicante, e o que ele e Ren mais fazem é brigar. Esse começo é uma das melhores partes do livro, então você fica se roendo pra ver o que mais acontecerá.


O que mais, então? MERDA. Tudo muito lindo né, uma hora tinha que dar uma merda. Lokesh, o feiticeiro maligno³ que amaldiçoou os irmãos consegue rastrear o paradeiro deles e manda zilhões de homens armados atrás deles pra capturar alguém que estivesse com o medalhão. Acabam sequestrando Ren (que não tinha medalhão algum, mas é uma ótima isca pra quem tem - a Kelsey), e Kishan e Kelsey agora terão que resgatá-lo. Mas antes de tudo, é preciso decifrar a segunda profecia de Durga e resgatar o segundo presente, para só depois, com ele em mãos, conseguirem ter alguma chance de salvar Ren. 
Kelsey fica extremamente perturbada e preocupada com o que pode ter acontecido com o tigre branco, mas volta à Índia com Sr. Kadam e Kishan, a fim de decifrar a profecia, treinar táticas de luta e principalmente seu poder recentemente descoberto, e depois fazer uso disso na busca do segundo presente e do resgate de Ren.
Essa parte também é gostosa de ler, pois vemos o dia-a-dia de Kelsey com Kishan e sem Ren, pois confesso que ele, no início do livro, competindo com os outros caras com quem Kelsey se encontrava, exagerou um pouco, principalmente com Li, naquela postura Edwardculleniana TERRÍVEL "ela é propriedade MINHA e ninguém tasca", de superproteção e mimimi. Mas ok, mesmo assim tolerei e continuei gostando dele.

Então, com a profecia devidamente decifrada, Sr. Kadam deixa Kelsey e Kishan na cidade de Lhasa, no Tibet, aos pés do Himalaia, no Tibet. QUE NÃO, NÃO É PARTE DA CHINA DESGRAÇADA. E eu, como orgulhosa Tibet-retard, adorei. Tendo uma ajudinha dos Lamas de lá em complementar a profecia, Kelsey e Kishan deixam Sr.Kadam ao pé da montanha e sobem até certa parte do Himalaia para encontrar o Portão do Espírito, um portal para outra dimensão, da qual não vou falar nada pra deixar vocês curiosos. O que sei é que inicialmente achei que a Colleen poderia ter exagerado na mistura, mas depois pensando, numa história dessas, que conta diretamente com a ajuda de uma deusa indiana (hinduísmo) e até dos Lamas tibetanos (budismo tibetano), seria muita presunção querer considerar só uma religião, ou conjunto de mitos e lendas de um local só como os corretos e únicos existentes, e durante a busca tudo ia fazendo sentido.
Mas só digo uma coisa: Kelsey é dura na queda. Porque com as investidas em modo repeat de Kishan, ela quase só pensava em Ren sofrendo, sequestrado. E a coisa fica meio assim, meio né, vocês sabem, Kelsey tendo visões de Ren todo ferrado mas Kishan confortando-a, mas né, Kishan vai se mostrando tão sensível, prestativo, determinado e com sentimentos verdadeiros, aquela coisa toda, companheirismo e convivência durante semanas, arriscando a vida juntos e coisa e tal, mas comofas com o Ren lá precisando deles, mas certas coisas acontecem, e Kishan é tão, tão...

E obviamente, conseguem recuperar o segundo presente da profecia, pois sem ele não conseguiriam resgatar Ren. Essa parte é ótima e Colleen Houck mostra que sabe MESMO escrever cenas de ação. Se eu tivesse mania de roer unhas e não usasse as mãos pra segurar o livro, meus dedos já estariam no cotoco. 
E depois que Kelsey e Kishan voltam pra casa pra se recuperar e traçar o plano de resgate de Ren com Sr. Kadam, É QUE A COISA FICA TEEEEEEENSAAAAAAAAAAAAAAA
     

Obviamente, a captura de Ren é de roer depois dos cotocos dos dedos, os braços e ombros. Obviamente eles conseguem soltá-lo, mas o problema é O QUE ACONTECE COM ELE. Por um spoiler infeliz dado inocentemente por uma alma desgraçada que comentou no blog que fizeram pra série, acabei sabendo, mas não sabia direito as circunstâncias e nem a que horas aconteceria. Sei que não chorei por pouco, fiquei com os olhos cheios d'água em algumas cenas, pois, pobre Kelsey, é MUITA merda, fiquei realmente com pena dela, e sei que não é especificamente culpa do Ren (e sim de Durga, mas que deusa louca véio...) mas se as coisas continuarem do jeito que estão, e depois do que Kelsey ouviu de Kishan falando com Ren sem saberem que ela estava ouvindo, se MESMO ASSIM essa boba continuar apaixonada pelo Ren vendo como a situação está, eu sinceramente não sei o que fazer. Não sei também o que faria no lugar dela, mas NÉ GENTE, não é como se fosse entre escolher o único homem que presta no mundo e um estuprador psicopata vingativo assassino canibal estelionatário e pedófilo. NÃO KELSEY, NÃO, OK? E aliás, neste livro eu a achei menos esperta e decidida que no anterior em alguns momentos, isso me incomodou um pouco porque até então tinha rolado uma identificação e tal :B

Terminando, alguns itens que até agora me irritaram na série toda:
PORQUÊ, WHY GOD, WHY, praticamente TODAS as protagonistas de YA são baixinhas? Nada contra, mas como sou alta, fico um pouco ofendida. É pra passar a idéia de que fulaninha é frágil e mesmo assim dá conta do recado, OU GAROTAS ALTAS NÃO PODEM SER PROTAGONISTAS DE YA???????? (só lembro da Nora de Sussurro ser descrita como alta, mas como não gostei muito do livro... Talvez um dia eu leia o segundo, sei lá) A personagem do meu "futuro livro" (que está só com mil anotações por enquanto) VAI SER ALTA OK MUNDO??? VAI SER BADASS E VAI SER ALTA, PORRA.
No primeiro livro Kelsey é descrita como tendo leve tendência a engordar, ou seja, ela não é magrela. Mas no Pinterest a Colleen Houck falou há muito tempo, que se inspirou na Emma Roberts para a Kelsey. Emma Roberts é bem magra. Ou seja... Coesão, where are you? Colleen Houck, por ser "gordinha", poderia muito bem ter designado uma atriz menos magra como referência, achei isso meio preconceituoso da parte dela. E Emma Roberts nem de longe é quem eu imaginei pra Kelsey. TOMARA que escolham outra atriz pra ser ela nos filmes. Se não escolherem, é passar raiva, acostumar e torcer pra que ela engorde um pouco e fique parecida com a Kelsey do livro.
Não é culpa especificamente da autora, e sim da Arqueiro (e várias outras editoras que publicam YAs) que têm mania de ficar colocando, depois do fim do livro, o primeiro capítulo do livro seguinte pras mina pirar e dar um gostinho do que vai vir. É legal e esperto da parte deles? Sim, pois mata nossa curiosidade e já deixa todo mundo no frisson pra quando lançarem o próximo, mas ao mesmo tempo é ruim porque acaba com o ~DRAMA~ do final dos livros. O legal é você ler e ficar com aquele dilema entalado na garganta até chegar o próximo, O PRÓXIMO, e solucionar algo. Não tem graça se logo depois da página final já tem a página com o começo do livro seguinte. O drama vai pra pqp, você não tem tempo pra digerir a história porque ela mal fixou na sua cabeça e já tem um pedaço da continuação pra consolar. Mas já sei o que vou fazer no 3° volume: quando estiver chegando perto desse primeiro capítulo maldito, vou colocar um papel na frente dele e prender com clips, daí não vai ter NADA pra eu ler e matar um pouco da minha curiosidade até o próximo chegar.

E eu, chegando ao fim do livro, pensei que não seria mesmo tão bom quanto o primeiro, mas me enganei. Tem tanta ação, romance, aventura e aquela ótima dose de cultura - dessa vez não só a indiana, como também outras, que Colleen conseguiu harmonizar muito bem.
Agora é esperar pelo lançamento de A Viagem do Tigre mês que vem, e obviamente, dar a devida enrolada, mesmo que pequena, pra lê-lo, pois terminei o segundo agorinha né, DAÍ VOU LER LOGO O TERCEIRO E FICÁ SEM NADA NUM TEM GRASSA

(O gif acima, aliás, é como eu gosto de ficar durante/depois a leitura de um livro, e I PRAISE THE LORD, é assim que eu estou )
E ah, o sorteio de Água para Elefantes deixei pra depois que lê-lo e resenhá-lo. Afinal, não faz sentido sortear um livro aqui no blog sem nem ter lido ainda. 
Bisous!


Comente com o Facebook:

8 comentários:

  1. Marcos Antonio Pepe28 de outubro de 2012 06:46

    nunca li esse livro, deve ser bom....

    ResponderExcluir
  2. Só vejo boas críticas em relaçao a esse livro, morro de curiosidade de ler!
    Beijos e bom domingo!

    ResponderExcluir
  3. Essa série tem capas lindíssimas. Como não gosto de spoiler eu preferi não ler sua resenha, só li o início da postagem. Mas pela sua animação o livro é muito bom, e eu estou mega curiosa para ler também.

    Beijão Jun :)

    ResponderExcluir
  4. Que resenha foda, ri horrores.
    Eu to para comprar esse livro, eu gostei muito do primeiro livro, mas estou um pouco com pê atras com esse triangulo amoroso, eu fico sempre sofrendo por causa disso.
    Eu to muito curiosa agora para saber o que vai acontecer com o Ren, e o que vai rolar entre o Kishan, que eu adorei e a garota-rabanete.
    Eu não sabia que já iam lançar o terceiro volume. Que bom.

    Bjks

    ResponderExcluir
  5. Nossa hasdu7hsudhashdusahdusdhusah amei a resenha!
    A capa do livro é linda também!
    Parabéns pelo post,esta ótimo!
    E pretendo ler,me deixou com vontade!!!


    Muito obrigada por comentar em meu blog

    Se você gosta de unicórnios (ou não) visite:
    http://www.flightsanddreams.com/

    ResponderExcluir
  6. Achei o começo de O Resgate do Tigre um pouco chatinho (Kelsey nunca teve pretendente nenhum e, de repente, todos os homens a 100 Km de distância parecem gostar dela), mas aí quando a aventura começa eu não consegui parar de ler o livro até o final!
    Kishan, Kishan, Kishan! ♥♥♥ E FRUTA QUE CAIU, AQUELE FINAL! Que sacanagem foi aquela que a Colleen Houck aprontou? i_i
    Também sou alta e também fico um pouco ofendida com todas essas protagonistas baixinhas... É como se eu fosse fisicamente impossibilitada de ser uma protagonista de YA na vida real! :/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Né? Isso ficou tipo a Bella-retardada Swan em Crepúsculo, a menina mó normal e tal, e IT'S RAINING MEN em cima dela, como lidar?
      E Kishan, Kishan, Kishan! ♥♥♥ [2], ele é um absurdo de personagem mesmo, oh God, WHY =p
      E AE, finalmente uma alta pra concordar comigo! Isso é tão injusto... Mas fazer o quê, uma hora aparece alguma alta badass num YA pra gente idolatrar... Acho que os autores fazem isso pra que a personagem pareça ser frágil ou sei lá que diabos. ¬¬
      É como se eu fosse fisicamente impossibilitada de ser uma protagonista de YA na vida real! :/ [2] haha, decepcionante D:

      Excluir
  7. Aaah fala sério, achei que iria me deparar com uma opinião parecida com a minha mas você realmente é fã desses tigres hein?!?!!? Hehehe, ao contrário de ti, tenho esses tiques e piripaques com Hush Hush - e você não gostou, aliás.
    OBS: Uma personagem super alta é a Helen, de Predestinados, mas um livro que eu não gostei. Como você tem um gosto diferente do meu, acho que você pode gostar, hehe.

    Eu tenho outras perguntas sobre o livro: por que é que tem que ter esse triângulo amoroso insuportável nesse livro? Impossível não identificar Crepúsculo nesse segundo livro. O mesmo jeito de apresentar os personagens, as características e personalidade super parecidas com dos personagens vampirescos e "lobisomenscos" isso me irritou tremendamente!

    Outra: não vi necessidade de mais de três livros nesta saga. Achei desnecessário expandir os acontecimentos, esse inhen inhen ihen (li algumas resenhas de "A viagem do tigre) e muita coisa poderia ter sido direta!

    Mas ainda quero terminar a leitura da saga e ter minha opinião sobre ela. Claro que o anseio por ela não é tão ardente depois desse segundo livro, mas ainda quero finalizá-la!

    Beijos!

    ResponderExcluir

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI