Resenhinha dupla: Persuasão + Uma Jornada no Tempo

AE! Postando exatamente 1 mês depois do último post, e eu autorizaria ser espancada se não tivesse motivos bons como volta às aulas e viagens pra ter adiado esse post. Viagens porque como disse no último post, fui ao segundo show do Eluveitie aqui no Brasil, em Belo Horizonte novamente, e foi foda! \m/ Quaase tão bom quanto o primeiro, quase, hehe. E dia 12 deste mês, fui ao show da minha outra banda favorita, o Within Temptation, lá no Rio! Espero por esse dia desde 2006, quando conheci a banda, já que em 2008, quando vieram aqui pela primeira vez, foi só um show lá na casa do chapéu, em São Paulo, e era no way na época eu ir ¬¬ Mas enfim, as viagens são assuntos pra outros posts exclusivos.
Hoje eu vim aqui fazer duas pequenas resenhas, uma de um livro que eu detestei, e outra de um que gostei muito. Vou começar com o ruim primeiro, então preparem os nervos e let's go :D

Persuasão - Jane Austen
Anne Elliot é uma nem tão jovem solteira que, seguindo os conselhos de uma amiga, dispensara, sete anos atrás, o belo e valoroso (porém sem título nobiliárquico e sem terras) Frederick Wentworth. Porém, o futuro sentimental e financeiro de Anne não é muito promissor, e quando o destino a coloca frente a frente com Frederick, agora um distinto capitão da Marinha Britânica, reflexões, conjecturas e arrependimentos são inevitáveis. Concluído um ano antes da morte de Jane Austen e publicado postumamente, seu último romance contém fortes elementos autobiográficos, e aborda o risco de se dar conselhos - e de se segui-los, com toda graça, humor, leveza, ironia e ousadia de estilo de suas obras mais conhecidas.


Já leram On The Road (Pé na Estrada), do Jack Kerouac? Se sim, e se é bom, NÃO FALEMMM, porque é este livro que deveria estar no post hoje, não Persuasão. Estava eu na Bienal, alegre e serelepe, quando na primeira compra lá fiquei em dúvida se levava um ou outro. Pensei: "poxa, já li Orgulho e Preconceito, achei lindo, fofo, engraçadinho e irônico... Melhor não arriscar com esse autor que não conheço". Daí foi o que houve. Atraída pela capa bonitinha e pela Jane Austen, fiz a compra errada, sem saber que era. Não vou me delongar nessa resenha, mas juro que comecei a ler o livro muito esperançosa, e mesmo quando comecei a ver que estava monótono demais, continuei achando que poderia melhorar. Como viciados em livros são iludidos, não? D: A história tinha tudo pra ser boa... Uma protagonista legal (meio conformadinha mas legal), um mocinho legal de verdade e um lance fofo entre os dois... Mas não sei o que houve com Jane, talvez por ser o último romance, talvez por ser meio autobiográfico, mas não fez o requisito, infelizmente, e tinha tudo pra fazer. Descrições longas de fatos triviais, que poderiam ser cortadas e não fariam diferença, algumas personagens secundárias beeem chatas e que também ocupam boa parte do livro, história monótona e sem surpresa alguma, pequenas reviravoltas longas e sem sentido... Acho que o que faltou foi convivermos mais com Anne e Frederick, sinceramente. Mesmo quando separados, poderia ter mais sobre eles no livro, e acho que a relação dos dois depois que se reencontram não foi trabalhada até onde poderia (mas o modo como ocorreu o final - já previsível - me surpreendeu positivamente!). Lógico que o livro não é só tragédia, o que salvou eram pequenas ironias e gracinhas típicas de Jane Austen durante a leitura. E bem poucas, se for comparar com Orgulho e Preconceito. E ah, o cheiro do livro é VICIANTE demais. Adoro cheiro de livro novo (quem não gosta se apresente agora pra ser apedrejado, por gentileza), mas o cheiro desse é mais diferente, muito bom mesmo. Dá vontade de cheirar cada página até sufocar UHAHUA *morre* Enfim, Persuasão tinha tudo pra ser bom, mas não foi, por isso os trechos destacados são só os cômicos.
Nota: ★ - Só leia se estiver MUITO curiosa ou quiser ler tudo da Jane Austen, sinceramente.

"Anne esgotada, Mary vulgar, todos os rostos dos vizinhos enfeando e o rápido aumento dos pés de galinha nas têmporas de Lady Russel eram para ele, havia muito, motivo de angústia." 
Sobre o pai de Anne, Sir Walter, cujas descrições rendem algumas das poucas partes cômicas.

"- (...) E quem está a srta. Anne Elliot visitando em Westgate Buildings? Uma sra. Smith. Uma viúva chamada sra. Smith. E quem era o marido? Um dos cinco mil sr. Smith cujo nome pode ser encontrado em qualquer lugar!"
De novo o pai de Anne, desta vez falando sobre a antiga colega de escola que ela reencontrou.


Uma Jornada no Tempo - Luiz Filipe Tsiipré
Em 29 de dezembro de 1890, cerca de 300 índios da Nação Lakota-Sioux, liderados pelo chefe Big Foot, foram brutalmente massacrados por soldados da Sétima Cavalaria dos Estados Unidos da América, comandados pelo coronel James W. Forsyth e pelo major Samuel Whitside.
No Brasil, 64 anos após o massacre, um menino de 4 anos, nascido na cidade do Rio de Janeiro, começa a manifestar um forte vínculo emocional com os índios, que permaneceu e ampliou-se ao longo de sua existência. Mais tarde, quando novos rumos despontavam em sua vida, começaram a ocorrer, inesperadamente, certos sonhos e sinais que o conduziriam a uma viagem ao Arizona e a Dakota do Sul em busca de respostas...


Eu adoro tudo que seja ligado à religiões e crenças ancestrais. Muitos podem chamar só de "esoterismo". Pra mim elas têm nome: druidismo, wicca, astrologia, e dentre outras coisas, xamanismo. São coisas que a gente gosta e não sabe o motivo, gosta e pronto. Há anos que sou fascinada com a cultura dos índios norte-americanos, e consequentemente, com as crenças deles, que hoje se reúnem um pouquinho sob o xamanismo, mas ele é só um pouco da parte religiosa deles (na verdade, de vários outros índios pelas Américas). O problema é que material pra leitura sobre os índios norte-americanos especificamente nunca foi tão vasto por aqui, então a gente se vira com o que tem pela internet e nos filmes.
Enfim, este livro é da Bienal também. Eu estava à toa pelo estande da Record quando vejo um homem alto de cabelos no ombro autografando livros, ao que parecia. Enquanto ele conversava com duas pessoas que tinham comprado o livro, eu peguei um e dei uma olhada, logicamente atraída pela capa. Assim que li a contracapa, pensei: "putz, preciso comprar". Então o homem, muito simpático, se apresentou, conversou um pouco contando do que se tratava o livro e o autografou, com dedicatória caprichada e tudo. E tenho pra mim que esse é um dos livros que não aparece na nossa vida por acaso.
Com uma narrativa que te prende da primeira à última página e uma conclusão linda, é o tipo de livro que te marca de verdade. Até esse livro eu nunca tinha visto tanta graça nos índios do Brasil, coisa que mudou depois da leitura. Nunca tinha parado pra pensar com as palavras de alguém que viveu entre eles o que é ter que lutar por terras que, originalmente, são suas por direito. Tsiipré viveu isso, e ajudou uma tribo de perto de Angra dos Reis a conseguir o que não deveria ter problema e burocracia alguns pra ser resolvido, e também vivendo no Posto Indígena Jarina, no Mato Grosso. E então quando, por alguns fatores, volta ao Rio de Janeiro, começa a ter sonhos com índios norte-americanos a lhe indicar uma grande pradaria, a falar com ele para ir aos EUA etc. Então, quando finalmente ele consegue ir, uma série de felizes coincidências vão contribuindo pra que ele chegue justamente onde deveria chegar, sem nem saber como.
E em uma jornada cada vez mais espiritual, vai descobrindo sobre o que foi, e isso explicou quem ele é e o porquê. Eu acredito mesmo em reencarnações, e acho que você é o que é hoje porque foi determinada coisa ontem, e no livro tudo na história encontra seu sentido. E os contatos dele com os índios, seja no aprendizado do Cachimbo Sagrado, com Pássaro Vermelho (que por acaso, é a tradução do nome "Tsiipré" dado pelos xavante ao autor), seja na viagem a Dakota do Sul para a Dança do Sol e o Powwow realizados pela Nação Lakota, ou indo aos lugares que já foram habitados pelos índios, locais onde houveram batalhas e tal, é tocante, assim como as histórias sobre as Nações, principalmente a Sioux. Coisas que nem imaginava fiquei sabendo nesse livro! A filosofia e a sabedoria (na verdade, de muitos povos antigos, eu acho) deles é algo que a tão perfeita e pura civilização européia, e depois, o "american way of life" nunca conseguiram ou conseguirão alcançar. Porque isso não é coisa de quem chega e conquista e acha que aquele lugar é dele. Isso é coisa de quem nasce com a terra, cresce, aprende a respeitá-la, vive e morre amando-a como à sua própria mãe.
Sobre o livro, é isso que eu tenho a dizer. Leitura indispensável, de verdade, se você é minimamente interessado, seja pelos índios daqui do Brasil ou, como eu, pelos da América do Norte. Tudo tem uma razão de ser e leituras como essas só esclarecem mais nossos interesses aparentemente sem motivo.
Não vou citar nenhum trecho aqui porque a quem interessar, quero que descubra o livro por si própria, e pode saber que vai ser uma experiência grandiosa.
Nota:  - LEIA.

Bom, that's all, folks. Agora é Carnaval, AEEEE *joga confete*, e o que pros outros é bebedeira, sem-vergonhice, música ruim, álcool e dorgass até de manhã pra mim é nada de aula, nada de trabalho, pc, dormir, comer, ler, desenhar, ver dvd... Enfim, Carnaval melhor não há, concordam? Haha, bisous!

                                                                                                                         

Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. deixei um meme para você. http://contandolivros.blogspot.com/2012/02/ola-galerafiquei-muito-feliz-quando.html#more

    Espero que goste!

    ResponderExcluir
  2. E eu que pensava que a Jane so escrevia obras primas, pelo que falam né? Mas, eu ainda não li nada dela, tenho "Orgulho e preconceito" mas ainda não li. Bom, esse livro não me chamou atenção, então não sei se eu leria.

    Quanto a "Uma Jornada no Tempo" eu nunca ouvi falar, e também nunca achei graça em índios brasileiros, maaaaas, sua resenha me fez ter um pouco de interessa por essa obre ein... ^^^

    Beijos :*
    ps: fico feliz que vc tenha gostado da resenha de "para sempre" e que esteja participando da promo ♥

    ResponderExcluir
  3. Fiquei curiosa para ler esse livro (Uma jornada no tempo) que vc recomendou.

    ResponderExcluir
  4. Ha poxaaa... acho a capa dos livros da Jane Austen tão lindas (das versões da L&PM.. são as mesmas capas de um país aí.. e daí tem de todos os livros dela. Procura no google que vale a pena! ^^) que dá vontade de ter todos, mas esse Persuasão peli visto nem vale a pena, né?

    Hahuahioauhaoiuhaoiauho! O vocalista do Kamelot parece mesmo que saiu de uma banda de forró! :P
    Então... antigamente eu ouvia mais músicas assim. Daí terminava ouvindo WT também. Mas, não gosto tanto. A voz da Sharon não me agrada tanto.. não sei o motivo. Acho que é por causa dos falsetes, enfim.. não sei.
    Eu ouvia, mas hoje em dia, escuto praticamente de tudo, então sou mais seletiva nesse gênero! :P
    Costumo ouvir mais nightwish (antes da nova vocalista), Epica, Lacrimosa, Theatre of Tragedy (muitoo bom) e gosto também das músicas solo da vocalista do Theatre! :)

    Em meio a TANTA fofura é difícil mesmo encontrar alguém que goste de mais coisas além de músicas francesas e calminhas! Que são ótimas, mas não é só o que existe na face da terra, né? Hhauiaho

    Beijinhooos, Jun!

    ResponderExcluir
  5. Bom, já sei que o próximo livro da Jane Austen que eu ler não vai ser Persuasão. XD

    Eu também acho a cultura dos índios - tanto os norte-americanos como os brasileiros - super interessante. E já que você gostou desse livro, Jun, te recomendo "Enterrem Meu Coração na Curva do Rio", de Dee Brown. É mais um relato histórico, ao invés de um romance, mas acho que todo mundo deveria ler. É um livro forte, porque fala da conquista do Velho Oeste, e a gente sabe muito bem que os índios não tiveram um final feliz nessa história toda. Mas recomendo muito.

    Que bom que você gostou do meu layout amador! Confio na tua palavra. XD
    Já tinha curtido o seu blog no Facebook, aliás, haha.
    Sabe que pra mim é mil vezes mais fácil fazer uma resenha de um livro que eu não gostei? HAIOEHAUIOEHAIOEU Sei lá, só vou despejando tudo o que achei ruim e acaba saindo um texto bem melhor do que de quando eu gosto da história. XD O pior é livro que eu nem gosto nem odeio, porque aí eu nem faço ideia do que falar a respeito dele. Ultimamente eu ainda ando numa onda de azar, não acho um livro que seja bom mesmo. Que dirá um para entrar nos favoritos. D:

    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. NÃAAO ACREDITO QUE EU PERDI OUTRO SHOW DELES!! Dá liçensa, vou ali me matar porque eu sou muito burra. Ai que odio u_u. Estou num troca troca de casa, viaja pra cá, resolve coisa dali que eu estou simplesmente perdendo minhas datas to das. DROGA. Enfim, Jane <3 Fiquei com dó da sua resenha, MAN. Com dó do livro, na verdade. Não quero ler ele ou, pelo menos, vou deixá-lo por último. A capa é realmente linda, eu caio numa armadilha destas fácil fácil. E WHOA PARA ESTE SEGUNDO LIVRO. Também sou apaixonada pelo assunto apesar de não procurar tanto para ler. Este livro parece simplesmente delicioso de ler, awn. Quero muito *-* Adorei o post, <3
    Beijones

    Rachel Lima
    http://corujando.org

    ResponderExcluir
  7. o.O
    Eluveitie quem?? Hauhauha algumas bandas eu realmente não conheço, claro! Eu até curto Within Temptation mas não pra ir ao show, mover céu e terra e blá blá! Mas que bom que dessa vez deu pra tu ir, coloca as fotos aqui pra gente ver! (Curiosa, eu, nem um pouco -.-')!

    Todo mundo ama Jane Austen mas eu confesso que não li os livros dela e por enquanto não estou no humor!
    Apesar de as resenhas estarem ótimas (de ambos os livros), não estou no humor pra lê-los... :x

    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oi Jun, lembra de mim? Pois é.. fiquei um pouco fora. Fiz um tumblr e acho que perdemos contato porque não conseguia me decidir como ia ser o fundo, comentários, parcerias e tals. Mas agora está tudo no seu lugarzinho. gostaria de saber se você quer ser minha parceira de blog. pode me mandar um email se quiser :)

    ResponderExcluir
  9. @Ju MariaSe você se interessa por leituras com tema mais espiritual, com certeza vai gostar ^^

    ResponderExcluir
  10. @Rachel LimaEta de novo? Mas calma que ano que vem coom certeza vai ter outro, aí você vai! É só ficar atenta pra quando divulgarem as datas ;)
    E sim, Persuasão é um saquinho, não acredito até agora que Jane tenha escrito ele... u_u

    ResponderExcluir
  11. @Jessica AsatoAh normal não conhecer Jeh, mas na cena do folk metal eles são muito famosos :D Mas ok, sou enrolada até dizer chega, mas com certeza vai rolar post só pro show do WT, daí te aviso =)
    E algum dia leia Jane Austen, mas Persuasão você pode pular huauha!

    ResponderExcluir

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI