Estreando o Anime Review: Nana!

Estreando A Anime Review ou O Anime Review? :[ Sei que o certo é "a" por ser A yaaaaaaay, nova coluna do blog! Mas me soa melhor falar "o" Anime Review, então não sei como vai ficar haha.
Enfim, cá estou eu, caramelados leitores! :D A demora se deveu à dupla mais dinâmica que Batman e todos os Robins juntos, chamada trabalho & faculdade. Sim, com um & porque é uma dupla e tanto. D: O post hoje não seria esse, mas não tive tempo de tirar fotos de umas coisas que queria mostrar aqui, então pra não ficar parada mais uma semana, decidi adiantar o Anime Review, que seria postado mais pra frente, e estreá-lo hoje. Espero que gostem, porque estou muito animada, afinal, anime/mangá é uma categoria à parte na minha vida de tão importante. 


Tóquio: a metrópole dos sonhos, das oportunidades, das grandes realizações pessoais. Nana Komatsu ("Hachi") está a procura de um lugar para se sentar no trem que parte rumo a capital nipônica. Ela viaja com o intuito de encontrar seu namorado, Shouji, e arrumar um emprego. Coincidentemente, ela senta ao lado de Nana Osaki, que estava viajando para o mesmo destino, carregando consigo um grande sonho: torna-se uma grande ícone da música. Vocalista de sua banda punk "Blast", Nana Osaki almeja fazer uma grandiosa performance no "Blast", local onde seu namorado, Ren, é o guitarrista de uma banda muito popular, os "Trapnest". Compartilhando o mesmo nome "Nana", as duas garotas rapidamente criam um forte laço de amizade. Seus caminhos se cruzarão novamente quando ambas se vêem na procura de uma acomodação. Eventualmente, as garotas decidem morar no mesmo apartamento e, com isso, a amizade aumenta. E, assim, caminham as "Nanas": enfrentando as loucuras de suas vidas e carreiras. Fonte

Com vocês, Nana Oosaki e Nana Komatsu, estrelando Nana! :D Foi um anime que eu tive o prazer de terminar semana passada. Meus devidos agradecimentos ao namorado, que gravou os 47 episódios pra mim em dvd. Assistir assim devo dizer que é bem melhor do que assistir no pc, porque você pode assistir a qualquer hora, sem precisar ligar o pc, e ainda gastar tempo baixando. Por isso, quando dá, até prefiro comprar dvds com os animes prontinhos lá do que ficar gastando dias e dias baixando.

Da Ai Yazawa, a autora, já vi o anime Paradise Kiss e tenho algumas edições do mangá, então presumi que Nana também seria bom. O mangá é do estilo shoujo/josei, voltado para o público feminino adulto, e é considerado um dos mangás mais vendidos no Japão atualmente, e deu origem ao anime, que foi o que eu vi. O mangá, depois de começar a ver o anime, pude ler alguns números emprestados com uma amiga, e pra minha alegria o anime é beem fiel a ele. \o/ Então, let's go!
Uma das primeiras coisas que penso quando começo a assistir um anime ou ler um mangá novos é se terá algum personagem cativante o bastante que me motive a fazer cosplay dele. Com Nana é complicado, porque todos os personagens são muito cativantes :< A história poderia facilmente estar em um livro, de tão boa, coesa e bem construída (um adendo: nem todos os livros são assim, né Stephenie Meyer?). Eu consegui me identificar um pouco com as duas Nanas, e no começo fiquei meio indecisa de qual gostava mais. Logo vi que era da Nana Oosaki (principalmente das roupas haha 8D), apesar de ter algumas poucas coisas em comum com a Hachi (a Nana Komatsu). 


Nana é forte, sincera, tem personalidade, e sua beleza e suas roupas a fazem se destacar em meio à multidão. Seu sonho é fazer sucesso com sua banda, Black Stones, chamada de Blast, pela abreviação. No entanto, é bastante solitária e reclusa, impulsiva, um pouco egoísta e por isso, de poucos (e bons) amigos. Já a Hachi é aquela jovem comum. Gosta de compras, namorar e conversar. É um tanto dependente e infantil, às vezes sonsinha, e isso faz com que as pessoas percam a defensiva e se aproximem. Nana tem um passada conturbado com seu namorado, Ren, que atualmente toca na já nacionalmente famosa Trapnest (abreviando, é chamada de Tranes). Por isso, quer ir pra Tokyo também e fazer história com o Blast, formado pelo baterista Yasu, por Nobu, o guitarrista, que são seus amigos desde a escola, e pelo baixista Shin, mais novo que eles na banda. Já a Hachi ficou na sua cidade interiorana enquanto Shouji, o namorado, foi para Tokyo, estudar numa universidade. Se passa um tempo e ela se muda pra lá também, e tudo o que quer é viver com ele e conquistar a independência. Porém, crises também começam a acontecer entre eles...
As Nanas têm ambas, 20 anos. Se esbarram no mesmo trem rumo a Tokyo, vendo que têm mais coisas em comum do que só o nome, e depois se separam na hora da saída. Parecia mais um encontro casual, mas logo elas irão se encontrar quando forem olhar o mesmo apartamento para alugar. Lembrando-se uma da outra, decidem morar juntas e dividir as despesas. A partir daí, elas começam a escrever sua história de verdade em Tokyo.

Como eu disse, Nana poderia caber facilmente em um livro. Queria saber o segredo da Ai Yazawa pra construir uma trama tão bem elaborada. Nela tem de tudo: amizade, intrigas, romance, reparação, separação, comédia, drama, questões morais, mas tudo muito bem amarrado e ligado que às vezes os elementos se misturam sem que você perceba. É até arriscado citar só esses elementos pra Nana e limitá-lo, porque é uma história rica de muita coisa, mas optei por falar pelo menos os principais. 
Ao longo do anime fica evidenciada realmente a diferença entre as Nanas. Hachi se apaixona muito fácil, Nana não tem olhos pra outro a não ser Ren; Nana é independente e pra ela é fuck all that shit, e Hachi não consegue viver sem precisar de alguém. Mas o ponto é realmente a amizade, como ela vai ficando forte, profunda e verdadeira, e como elas passam a depender uma da outra por causa disso. É algo lindo de se ver, principalmente se você, como eu, tem uma grande amiga, inesquecível, a gente se identifica e sabe que aquilo ali é verdade.

Em sentido horário: Nana, Nobu, Yasu, Shin, Hachi, Reira, Takumi e Ren.

E é lógico que se a história é rica em elementos, não poderia ser pobre em personagens. Nana e Hachi são apenas uma amostra de tudo que Ai Yazawa criou. Com a Nana, vêm os caras do Blast, cada um mais legal que o outro. É difícil escolher um, fico entre o Yasu e o fofo do Nobu (que ficaria melhor de cabelo grande, hm *Maria Shampoo*). Com a Hachi, desde o início do anime, antes de ela se mudar pra Tokyo, vêm sua amiga Junko e o namorido Kyosuke, e o Shouji viadinho (não gosto dele u_u). Essa fase do início é até bem decisiva pra tudo o que vai ocorrer depois. 
E, falando em depois, logo aparece a Tranes, banda de quem a Hachi é fã, rival do Blast e recheada de gatchenhos, entre eles, Ren, o amooor da vida da Nana. Ele e Takumi, ídolo da Hachi, junto com a Reira, são os personagens que mais destaco. Ren é um exímio guitarrista, mas viciado em drogas e cigarro, e não consegue esquecer Nana e a vida que tinha antes do Tranes. Takumi é egocêntrico, egoísta e mulherengo, mas ao longo do anime terá que demonstrar se ele é só isso mesmo ou melhor. Reira é dona de uma voz incrível e um rosto angelical, e é o motivo do sucesso do Tranes, se sentindo muito cobrada para dar o seu melhor e se vê obrigada a fazê-lo, pois sabe que cantar é o que sabe fazer bem e de verdade. 
Todos os três, na verdade o Tranes inteiro, vai se envolver com o mundo das Nanas ao longo da história, e é a partir daí que o anime vai ficando cada veeez mais viciante (como se já não fosse bastante no começo) e você não quer parar de assistir e morre de curiosidade querendo saber o que vai acontecer, e meldels, omg, comofas, como fica, mentiiira, FILHODAPUTA!, ai que fofos ç-ç, e por aí vai.


Como se não bastasse Nana já ser muito bom, tem algo que o faz ficar MAIS owned ainda, se é que isso é possível: A MÚSICA! *_* Ou melhor, as músicas, haha. Como se trata de um anime com duas bandas, duas cantoras, nada mais justo que tenha muita música no meio. E as aberturas, por consequência, são com as músicas que cada banda canta, alternando-se entre Blast e Tranes. As intérpretes já são cantoras japonesas conhecidas, mas ficaram mais ainda devido a cantarem as músicas do anime. Quem canta as músicas de Nana é a Anna Tsuchiya, e quem interpreta Reira é Olivia Lufkin, e ambas são nipo-americanas. Comentário besta, mas só eu que as acho parecidas com a Nana e a Reira? *se mata*

Olivia e Anna
As músicas são MUITO boas. As do Tranes são bem mais rock e punk, mas também tem as baladas da depression haha. Falando nelas, elas são predominantes nas músicas do Tranes, que são mais lentas, menos rock, mas ainda assim, lindas. Ouso dizer que são mais bonitas que as do Blast justamente por serem mais baladas e tristes. Anna tem uma voz mais rasgadona mesmo, e muito bonita, tipo "acabei de acordar e já tô cantando", e a voz da Olivia, mais requintada (não daria pra cantar as músicas que a Anna canta, eu acho), é um absuuurdo de linda também. 8<
Pra não encher ninguém de vídeos, deixo pra vocês assistirem a primeira abertura do anime, com a música Rose, do Blast, que pega evebáre de jeito e já mostra o clima do anime, e Starless Night, encerramento LINDO, que o Tranes toca, pra verem cooomo são perfeitas. Foi tenso escolher o encerramento, pqp, todos são bons, sem exceção. :< . Ps.: a abertura não está com defeito não, é só esperar alguns segundos que o vídeo aparece. Ps. 2: VEJAM OS VÍDEOS, AS MÚSICAS SÃO FUCKING FUEDAS!!! @___@



O mangá é o original, e o anime foi feito a partir dele. Há também dois live-actions (filmes, pra quem não sabe) baseados no mangá, mas como não sei até onde eles vão, quero vê-los só depois de ler todos os mangás lançados aqui até agora, que já passaram do anime (falo disso agorinha). Pelo que vi das imagens, a caracterização ficou bem parecida (detesto quando mudam as coisas D:). Depois que assistir os dois, ou pelo menos o primeiro, conto o que achei aqui. :)


O final do anime me deixou meio abestalhada, sabe? As coisas já estavam uma loucura mas eu não imaginava aquilo... Quer dizer, não daquela forma. @_@ Maaas não é o fim de tudo. O anime parou no episódio 47, que corresponde ao capítulo 42 do mangá. Pelo que procurei aqui, o estúdio Madhouse, responsável pela animação, disse que anunciará uma continuação quando o mangá se encerrar. Quando terminei de ver o anime fiquei ALOKA, porque nos extrazinhos que tem em todo final de episódio, falava que haveria segunda temporada, mas eu já achei estranho porque NUNCA ouvi falar de segunda temporada de Nana... Daí fui olhar pelos mangás publicados aqui no Brasil, e o mangá que corresponde ao último episódio dessa primeira temporada é o de número 12, e foi publicado aqui até o 21, que é onde aqui no Brasil alcançaram a publicação japonesa. Normal isso, os mangás pararem pra depois continuarem, o problema todo que é que a Yazawa-san, a criadora, estava passando por problemas de saúde desde 2009, então em março daquele ano o mangá foi paralisado por conta disso. Em março de 2010 a autora deu entrevista à revista Josei Jishin dizendo que havia acabado de sair do hospital e não sabia quando e se voltaria a trabalhar novamente. Agora é o momento em que nós fãs, nos descabelamos e torcemos MUITO para que a Yazawa-san se recupere e conclua o mangá bem! >_< E o que me resta é dar um jeito de comprar do volume 12 em diante. @_@

E ah, já ia me esquecendo! Pra baixar o anime, basta ir aqui no Animes Shade. BAIXEM BAIXEM BAIXEM, esse anime vicia! :D E se você que está lendo não está familiarizado com o mundo dos animes, acha que anime é só Naruto e Dragon Ball e só vê seriados dos EUA, está na hora de deixar os preconceitos de lado e apreciar os bons animes que estão por aí pediiiindo pra serem vistos, como Nana! *-* 

Bom, é isso gente, acho que não ficou faltando nada, falei demais mas falei tudo! u_ú E quando algum post meu foi pequeno? *se mata* Baixem o anime! Não deixem de ver os vídeos de abertura e encerramento! E comentem falando o que acharammm! :)


                                                                                                                         

Comente com o Facebook:

11 comentários:

  1. Own! *-*

    Comecei a ler esse mangá e achei muito fofo, agora vc me lembrou dele... acho que vou procurar o resto pra terminar de ler! *-*

    Já amei a nova coluna do blog independente de ser com "o" ou "a" xD~


    Bisous,

    Samantha Monteiro
    Word in My Bag

    ResponderExcluir
  2. Já ouvi vários elogios a respeito de Nana, mas confesso que tenho um certo preconceito quanto a esse animê. Sei lá, me dá a impressão de ser "sério" demais, não sei se por ser josei ou o quê, já que eu sou mais do tipo que gosta de shoujo de comédia. XD

    Um dia acho que eu ainda dou uma chance para Nana, espero estar errada nos meus preconceitos! :P

    Beijos, Jun!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Dani, vc tem razão... o anime é bem "real" do que eu gostaria. Mas, o filme Nana é bem mais leve que o anime e o final é melhor (pelo menos, na minha humilde opinião). Vc poderia assistir o filme, isso já seria uma boa pedida.

      Excluir
  3. Oi! :D
    Apesar de não ver muito Anime esse parece ter uma estória bem legal! ^^
    Ótima Review!

    Ahh, e quando eu tiver uma 'folga literária' aceito suas indicações dos livro da Anne. ^^

    Bjuu' :D
    april-1993.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Adoro seus posts cheios de comentários pessoais e tal... É tão bom ficar "pertinho de você" ao lê-los! kkkkk
    Não sou fã de animes, mas confesso que também nunca parei para ver um. Pelo que disse este é muito bom. Vou ver se consigo baixá-lo! ^^

    Beijinhos, Amanda Cristina.
    www.primeiro-livro.com

    ResponderExcluir
  5. Parece ser bom :D Mas eu nem to assistindo tanto anime assim. Os únicos que eu era viciada era Cavaleiros do Zodíaco e Beyblade. Mas preciso renocar nos animes :D
    Beeijo.

    ResponderExcluir
  6. Jun, o seu post ficou tipo assim PERFEITO!
    Eu conheci Nana tem alguns anos, pelo anime. Achei o final muito louco e só depois descobri que não era o final. Os mangás chegaram ao Brasil e comecei a comprá-los compulsivamente, e volto a dizer que assim como livros, o mangá não se equipara ao anime. Tenho todos os 21 e quanto mais leio mais emocionante e intenso fica. Você descreveu exatamente tudo o que eu penso de Nana e do anime, e colocou os vídeos das minhas duas músicas preferidas xD! No Kodama (evento de anime) aqui de Brasília eu sempre quis cantar alguma música, e elas foram as eleitas, apesar de que a minha voz sai melhor com a Reira >_< mas até hoje não achei um karaokê de starless night decente...
    As duas únicas coisas negativa do mangá são a falta das músicas e da continuação... i_i a cada ano que passa eu entro em pânico com medo da Ai Yazawa desistir e ninguém nunca souber o final... Há alguns capítulos pela internet além dos mangás que foram publicados no Brasil, só que eles são insuficientes pra fazer o próximo mangá.
    Também gostaria de saber como a Ai Yazawa consegue envolver a gente de uma maneira tão forte e intensa!
    A minha irmã mora em Manaus sabe? Temos uma relação de Nana e Hachi, aliás, chamamos uma a outra de Nana (Hey Nana...) e o perfil do Face dela é Komatsu Nana porque ela não quer se identificar para outrem xP esse desenho é muito importante pra mim por isso.
    A minha vida está um pouco corrida agora porque tenho que terminar a monografia esse mês, mas saiba que sempre leio suas atualizações do Face e seus posts, porque assim cara, nós temos muito em comum \o/ quando eu tiver tempo quero te mandar uma cartinha e um CD de um kdrama (vou te viciar HÁ)
    Em tréplica à sua réplica no meu blog, obrigada por liberar as leituras de spoilers leves, assim eu fico mais tranquila xD apesar de que mesmo sabendo de algum spoiler eu não deixo de me emocionar durante a descoberta e depois, rs
    Nossa infância realmente foi ótima, e eu também AMO Mulan, apesar de quem me marcou foi a Bela e a Ariel... ^^

    Presentes pra você:
    http://youtu.be/glanQFGOEIA - A little pain
    http://youtu.be/SYtLk2GwLLs - Rose
    http://youtu.be/LZ4F7m0VtOs - Wish
    http://youtu.be/584QC8c0NQk - Glamorous Sky (versão acústica!!!)

    ResponderExcluir
  7. Ai, Yasmin, pra mim é até difícil de falar sobre Nana, pq além de ter sido meu primeiro contato com esse mundo de animes/mangás japoneses, o que já me deixa emocionada, e também por ser uma das histórias mais lindas que já vi, com personagens mais bem construídos e interessantes e complexos que já tive contato. Enfim, é pura emoção, me junto ao seu coro e SUPER indico que as pessoas assistam/leiam. x)


    Beijos

    ResponderExcluir
  8. E ah, AS MÚSICAS! Todas lindas, lindas de morrer. *-----------* haha

    ResponderExcluir
  9. Respondendo ao seu comentário lá no meu blog:
    Que bom que Nana é bem dosado então! Eu estava com medo de que fosse um mangá "sério" demais por ser josei (quem sou eu pra dizer, nunca li nenhum josei na minha vida), mas se tem comédia junto eu tô dentro! :D
    Ah, e confesso que também adoro um bom drama no meio. XD SOFRIDÃO.

    Quando me sobrar um tempo (FÉRIAS!), pego Nana pra ver/ler então. :D

    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Jun, eu me senti um pouquinho ofendida nesse post OAKOLSPAL... 1- sou fã da Stephenie Meyer e de tudo que ela escreve e 2- sou viciada em séries americanas...
    Mas tirando isso, eu li o post todo e fiquei muito empolgada em assistir "Nana" mas nenhum link do site que tu indicou funciona, e agora?? :(
    Eu queeero assistir!!! Amei as músicas ♥

    Beijos :*

    ResponderExcluir

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI