Resenha: A Hora das Bruxas II

Continua a saga dos Mayfair, com suas tragédias e mistérios. Rowan se casa com Michael e relutante, toma posse da casa da família, da esmeralda e do Legado Mayfair. Mas, de quebra, leva também Lasher e sua maldição. Cabe agora a ela decidir-se entre o amor de Michael Curry e a sedução desse ser poderoso e misterioso que quer ficar em nosso mundo para sempre.






Olá açucarados leitores e leitoras! :D Depois de muito enrolar, post novo. As razões pra demora foram múltiplas: faculdade e trabalho, mas a melhor delas, voltei a ver meus seriados queridos! *-* Passei duas madrugadas acho, do último fim de semana baixando e vendo meus amados Grey's Anatomy e True Blood. Mas só um adendo: Lost sempre foi e sempre vai ser meu seriado favorito, mas acabou, e ele eu não me dei o luxo de abandonar como esses outros.The Big Bang Theory, The Game of Thrones e The Walking Dead (ai que tanto "the", santa criatividade, norte-americanos! D:) acompanho com o namorado, mas séries que acompanho sozinha mesmo são Grey's e TB. Tinha prometido a mim mesma no fim do ano passado que não voltaria a assisti-las até finalizar o blog, e o dito cujo depois de pronto me tomou tanto tempo que mesmo assim não consegui. Mas agora deu \o/ Preciso terminar Azumanga Daioh (um anime) também, mas não é com tanta pressa quanto as séries que vivem de temporadas né. E ó, pra vocês terem noção do atraso da cidadã, porque mesmo quando o blog não nos ocupa, sempre temos outras coisas pra fazer (ou mesmo ficar sapeando à toa por aqui), estou ainda na QUARTA temporada de Grey's (assistirei ao 9° epi.), e em TB pior ainda, fico até com vergonha de falar. :< Vou pro epi. 7 da primeira temporada.
TÁ TÁ, SHAME ON ME! Agora vamos à resenha senão vou ficar com vergonha e saio correndo.

AVISO: fugindo da regra pra resenhas aqui no blog, esta pode conter spoilers, porque é sobre a continuação de outro livro. Leia por sua conta! :)

Anne Rice continua descabelando os leitores com mais esse ÓTIMO e tenso livro, continuação de A Hora das Bruxas I, cuja resenha já postei aqui.
Se no primeiro volume, éramos apresentados à família Mayfair, com seus incestos, assassinatos e tragédias, nesse segundo volume, mais parado mas tão "aloka" quanto o primeiro, tudo se explica melhor.
A história se foca mais em Rowan Mayfair, a atual herdeira do Legado e bruxa mais poderosa que a família já gerou, com um poder incrível e arrasador que nenhuma das antepassadas possuía. No volume anterior ficamos sabendo de todas as bruxas vindas antes dela, e nesse, o livro se concentra mais nela, mas lógico, sem deixar as outras girls (q) de fora.
Uma das coisas de maior magnetismo nesse livro, pelo menos pra mim, foi Lasher. Ninguém sabe direito o que ele é ou o que ele quer no primeiro livro, mas a maneira como ele foi apresentado minceduziu. E no vol. II, as intenções dele e o que ele é ficam mais claros. Não vou contar o que ele é, lógico, mas adianto que o que ele quer é ficar na Terra, e para isso precisa de Rowan.
Rowan, que é apresentada no livro como uma mulher forte, determinada, confiante, talentosa, corajosa e toda sorte de coisas kick-asses. Mas na prática não é bem assim. Ela tem uma frieza bem inquietante, e no entanto uma das cenas mais emocionantes é quando ela vai ao enterro de Deirdre, a herdeira do legado Mayfair e sua mãe, que ela sequer chegou a conhecer por circunstâncias alheias à sua vontade.

Aaron Lightner, o investigador que cuida da história da família Mayfair, não sabia que rumo ela tomaria, mas acaba se envolvendo bastante com ela através de propôr ajuda a Michael Curry, o amor de Rowan.
Certos personagens morrem cedo pro meu gosto (e pra mim ela tinha razão! Pobrezinha ;-;), e então depois de reformarem a casa, Rowan e Michael se casam nela (a cena do casamento é uma das mais lindas) e lá vão morar em definitivo. A partir daí, Rowan já vai travando intenso contato com sua nova família, e vemos que os outros Mayfairs não são como os principais.

Porém, Rowan se torna, devagar e rapidamente, uma Bruxa Mayfair completa, mesmo que a história aparentemente não aponte pra isso, ou mesmo quando o amor que sente por Michael é tão forte que não se acredita que ela está fazendo o que está fazendo, que dá segmento a outras coisas e mais outras... Lasher chantageia Rowan, e ela, por amar Michael, finge que está tudo bem quando não está, quando ele começa a aparecer frequentemente pra ela, e ela é, impreterível e fatalmente seduzida por ele. Esperem por muitas cenas hot hot hots, aliás. D: Ela não foge à regra das bruxas que se deixaram seduzir e obedecer a Lasher ao longo dos séculos, pois ele é realmente intoxicante e encantador a seu modo. Diria que é o melhor personagem do livro, porque ele, como um todo, é realmente excepcional. Isso prova que nem só de exterior horrendo vivem os maus (e ambíguos) personagens. Lasher é egoísta, vil, calculista, manipulador, ordinário e sedutor. E como. Ele quer ficar na Terra, vive tentando quebrar Rowan à sua vontade a fim de conseguir isso. Se ele consegue ou não, não vou contar, mas o final é surpreendente. E ainda por cima, possui aquela inocência que vem fácil, ou totalmente calculada, dos seres mágicos, e que nos faz mais ainda duvidar do que sentimos com relação a ele e dele próprio. Dentre todas as opiniões favoráveis que já vi sobre o livro, nenhuma deixou de destacar Lasher como o personagem mais estranho e incrível da saga. E o pior, ele é. É como se fosse o mal misturado com o bem, ou o mal na sua forma mais pura que te faz acreditar na história dele e até, de certa forma, torcer por ele, no final do livro. Fica bem claro que Lasher é a razão de ser da família Mayfair. É o esteio, a razão e a essência de toda a história, a teia que une a todos pro desfecho que ele pretende dar.

A narrativa de Anne Rice é, como sempre, aquela delícia agridoce que nós conhecemos e aprendemos a amar. As reflexões de New Orleans, da Mansão Mayfair e de tudo o mais relacionado ao cenário, até as plantas, é tudo tão perfeito que você imagina a cena com toda a riqueza de detalhes, realmente. E é curioso, porque pra certos livros o cenário mental que construímos não fica tão bom. E, ao mesmo tempo que nos presenteia com as ambientações, acaba com nossa mente narrando certas cenas, certos sentimentos. Como quando Michael começa a delirar com as visões que a psicometria, que ainda não foi totalmente curada, lhe traz. Em certo momento ele, encostando pelos corrimãos e tendo visões das bruxas, da pobre Antha, mãe de Deirdre, que foi assassinada, acaba encontrando um quartinho com dezenas de frascos e potes. E aí, ele começa a ter visões com os conteúdos deles (que não vou contar também o que são), com as bruxas Mayfair anteriores, com Lasher falando em sua cabeça e o deixando sem saber o que pensar. Ou seriam verdade? Enfim, leiam pra saber, mas é a cena mais marcante do livro pra mim. Anne Rice ora nos acaricia, ora nos esbofeteia bem na cara com suas palavras.

Depois que os arquivos da Talamasca, a maior parte do livro se passa quando Anne entra na cabeça de Rowan. A narrativa não é em primeira pessoa (o que é ótimo), mas é como se fosse. É surpreendente toda a história do ponto de vista de Rowan, e seus confrontos com Lasher. Dá muito medo. Recomendo não lê-lo perto da hora de dormir... De qualquer forma, não importa a hora que ler, você vai lembrar nas piores horas. Lasher é algo que não se pode ver a não ser que ele mesmo queira, não se sabe direito o que ele é, e o que ele pode fazer. Mas quando Rowan descobre, é aí que a hipnose com o livro pega de vez. É impossível você não lê-lo, principalmente a partir de quando Rowan entra em foco, e é impossível também não ficar agitado e inquieto, querendo ler mais e mais, e pensando sobre o que acontecerá. A história é tão bem construída,  entrelaçada e espantosa, que se prende na sua cabeça definitivamente. Pode ter certeza, meses depois que você ler esses livros ainda vai se lembrar deles e dos Mayfair.

O final, bem, como eu disse o final é surpreendente. Não esperava o desfecho, não dessa forma, mas Anne te descabela de novo pra querer ler a continuação, chamada Lasher. Sabia que ela estaria disponível em nova edição na Bienal, mas quando cheguei ao estande da Rocco já tinha se esgotado. Como assim? :[ Devem ter editado muito poucos pra ter saído assim tão rápido, porque não tem lógica você comprá-lo sem antes ler A Hora das Bruxas I e II. A não ser que a galere seja tarada mesmo e tenha comprado só por causa dessa capa absurda. Bem, o recurso que eu tenho é ou comprar ele por e-mail e as pessoas acharem que estou lendo contos eróticos, a não ser que eu arrume um protetor de capas, ou comprar a edição antiga de Lasher pela internet (que me anima e desanima: não gosto muito de edições antigas mas pelo menos a capa é normal) ou com a dona da escola onde funciona minha faculdade, porque pasmem, ela tem vários livros da Anne na biblioteca, não só Lasher. Tem A Hora das Bruxas I e II, A História do Ladrão de Corpos, O Vampiro Lestat, Entrevista com o Vampiro, e aloka, até a versão original e gringa de Cry To Heaven! Enfim, quando vi quase infartei, ainda mais porque não tinha lido A Hora das Bruxas II, e logo na contracapa já fiquei sabendo de um spoiler desgraçadinho, quis me matar ali mesmo.

Enfim, uma palavra perfeita pra descrever essa série da Anne, que foram os melhores livros dela que já li é: narcótico. É esse o efeito que eles têm sobre o leitor, e o efeito não some. Você vai ler e vai lembrar desses livros, dessa história, pelo resto da vida. Além de tudo, porque os personagens são MUITO REAIS. Arrisco a dizer que são alguns dos mais reais que já li. Singulares mesmo. Nunca vi nada tão real quanto isso, você lê e se pergunta: "será que se eu for a New Orleans encontro algo parecido?". É tão incrível e intoxicante toda a história que você QUER acreditar que possa ser possível, mesmo com todas as coisas chocantes, mesmo com as tragédias, você QUER que eles existam, ou pessoas parecidas, ou qualquer coisa. Porque não é possível, é algo tão real não é? É como se a Anne descrevesse a história de vizinhos, ou dela própria. Como se ela se dirigisse exatamente a você e dissesse: "venha aqui na grade da casa e acompanhe essa história comigo. Vamos espiá-los". Anne Rice é um poço de criatividade e genialidade, e provou ser sem fundo quando li esses livros. Ela coloca a moral de lado sem titubear. Nos faz você duvidarmos de si próprios, de nossas convicções e opiniões quando hesitamos, durante a narrativa, qual lado tomar. Amar o bem ou apoiar o mal? Mas o que seriam o bem e o mal? Nossas escolhas? Elas valem alguma coisa? E se o livro te fizer enxergar que você não quer, que ninguém, ninguém quer droga nenhuma de verdade? Nós somos facilmente influenciáveis por forças externas, e a força de vontade pode não valer nada. Você não depende você, você depende das pessoas também, e se elas errarem, atingem você. Personagens morreram acreditando num ideal, outros se deixam levar sem saber onde isso vai parar. Qual deles você é?

Quero muito ler Lasher e acho que é a sequência que mais me deixa ansiosa. Mas o efeito dessa história, dessas pessoas, de Lasher, é algo que vicia, que sufoca, irresistível e ambíguo. Te suga pra dentro do livro e te joga dentro da sólida casa de First Street, e você não quer sair de lá nunca mais, e ainda sinto isso, basta pensar na história que ele se torna maior ainda. Mas mesmo estando ansiosa, ainda não quero ler Lasher. O efeito dos livros ainda está muito forte em mim, e basta falar na história pra que ele aumente. Vou ler outras coisas e me distanciar. Depois, vou voltar, e ele voltará mais forte ainda. Porque como eu disse, depois que você lê, ele não acaba.

Nota:  - Excelente, não ouse morrer sem lê-lo.

"Ela sabia que era diferente, de um jeito horrível e mortal. Ela sabia, e esse conhecimento a isolava como se ela estivesse enterrada viva dentro de si mesma".

"- Não se trata absolutamente de uma ilustre mansão. Ela é alguma espécie de abrigo para alguma coisa. Pode-se dizer que é uma armadilha. Ela é composta de todos os tipos de desenhos. E os desenhos formam uma espécie de armadilha."

"Você não pode me deter. Você não pode impedi-la. Você faz o que eu quero. Minha paciência é como a do Todo-Poderoso. Eu vejo o final. Vejo o número treze. Serei carne quando você já estiver morto."

"Quando afinal viu Michael, tão perfeitamente adorável, no seu fraque cinza com plastrom, sentiu as lágrimas lhe subirem aos olhos. Como era realmente magnífico esse seu amado, seu anjo, a sorrir para ela do seu lugar ao lado do altar, com as mãos, sem as luvas horrendas, entrelaçadas à sua frente, a cabeça ligeiramente inclinada como se ele precisasse proteger a alma da luz que brilhava sobre ele, embora seus próprios olhos azuis fossem para ela a luz mais forte de todas".

"- Minha paciência é infinita, Rowan. Eu vejo longe. Eu posso esperar. Mas você perderá o interesse pelos outros agora que me viu e que falou comigo."

"- Eu a amaria com uma intensidade inimaginável, Rowan, pois você seria minha mãe, minha criadora e minha mestra. Como eu poderia deixar de amá-la? E como seria trágica minha necessidade de você. (...) Por que está chorando? Por que está com lágrimas nos olhos?"


Comente com o Facebook:

13 comentários:

  1. Oi oi

    Haha, acabei lendo só a parte sobre seriados... avisos de spoilers me assustam quando se trata de livros que ainda não li xD~

    Meldels!!! Segunda temporada de The Walking Dead ( ou o primiero episódio )tirou meu fôlego!!
    Morro de vontade de baixar Grey' Anatomy, mas me falta um pouco mais de vontade para realmente o fazer. xD~
    True Blood é baseado em um livro (ou uma saga, se preferir) e como já tem 14 livros e cada temporada é um livro, espero que tenhamos todas as temporadas de True Blood ( nao ao corte de orçamentos õ/' )xB

    XoXo

    Samantha Monteiro
    Word in My Bag
    http://wordinmybag.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Jun, obrigada pelo comentário.
    Eu também adoro Grey's Anatomy e The Big Bang theory.. Acabei de ver um anime muito bom: Toradora. Acho que você vai gostar. beeeijo

    ResponderExcluir
  3. Awn não vou ler a sua resenha porque não quero ler spoilers *se segurando* >_< mas estou na mesma, atualmente por causa da monografia sobra pouco tempo, mas estou começando a segunda temporada de The Big Bang Theory com o namorado e sozinha assistindo um dorama coreano chamado Heartstrings xD
    Beijinho florzinha <3 !

    ResponderExcluir
  4. Oi! :D
    Ahh, não li a resenha porque ainda não li o outro livro. *-*
    Sempre os vejo no submarino, mas nunca compro. haha' E nunca li nada da Anne Rice. :O tenso né?

    Bjuu' ^^
    april-1993.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Eu nunca li nada sobre bruxas e nada da Anne Rice (shame on me agora rsrs) mas essa série me pareceu ser bem interessante... Não li a resenha toda só algumas partes ~medo mortal de spoilers~
    Ah! Eu também sou uma viciada em séries, mas algumas das minhas favoritas atualmente estão em hiatus (odeio hiatus), então enquanto espero estou acompanhado uma série muito legal sobre bruxas (que é inspirada em um livro) chamada "The secret circle", eu até tô gostando... Indico!

    Beijos :*

    ResponderExcluir
  6. Poxa,me deu até vontade de ver seriados agora. The Big Bang Theory é um dos melhores, né? *-* Não tinha um episódio que eu não ria.
    EU AAAAAAAAAAMO ANNE RICE! *-* Para mim, é a única autora de vampiros de verdade (tirando o autor de Conde Drácula também). Já li todos os delas de vampiro. Mas a hora das bruxas eu só li o primeiro, pois não gostei muito. :/ Mas nossa, alguém que gosta da Anne *-* yey!

    ResponderExcluir
  7. Anne Rice... Acredita que até hoje não li um livro sequer dela? É, é sim... Mas claro que morro de vontade de ler A Hora das Bruxas desde uma garotinha chamada Mariana aparecer em minha vida e ficar horas mostrando o livro na prateleira da livraria!! XD
    Enfim, tive que pular sua resenha, mas vi suas estrelinhas e seus comentários finais e... Uau! Fiquei com uma tremenda vontade de ler! :)
    Adorei o blog, Yasmin (ou Jun, como quiser)! Já estou seguindo!


    Beijinhos,
    www.primeiro-livro.com

    ResponderExcluir
  8. Adoro Anne Rice, apesar de não ter lido tantos livros da autora. Mas gosto da forma como ela leva a narrativa e os temas que ela escolhe para as histórias.

    Ah, vou começar a assistir "The Game of Thrones" com o namorado também, estou ansiosa, muita gente tem feito bons comentários da série. ^-^

    ResponderExcluir
  9. Ótima dica, Anne Rice é a rainha dos vampiros, não tem pra ninguém! <333 Tenho os livros dessas séries mas ainda não comecei a lê-lo...já bateu vontade! ^^

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Meu seriado favoritos sempre vai ser House. Engraçado que não me interesso muito por seriados, assisto e logo enjoo deles! haha

    ResponderExcluir
  11. Menina, sério q ainda tá na quarta temporada de Grey's?? :O
    Mas vc sabe o q acontece depois, né? Bah, é q o final da quinta temporada quase me matou e agora eu só vejo Grey's de vez em quando... quanto a True Blood, não se sinta mal, eu sempre quis ver, mas até hoje não vi nenhum episódio xD
    Mesma coisa com Lost. Shame on me duplamente O.o
    Então, eu mais passei os olhos pela sua resenha do q li (medo eterno de spoiler), mas desde a sua resenha do primeiro A Hora das Bruxas q eu ando com vontade de ler essa série, agora to ainda mais curiosa :D
    E valeu pelo comentário! *-*
    Não acho q meus dons sejam tão eficazes quanto os seus, mas fiquei muito feliz ;D
    Ah, e eu li um comentário seu no Danificável falando da semelhança entre Jogos Vorazes e Battle Royale e pois ééé, né?? Tb não li Jogos Vorazes ainda, mas desde a primeira vez q ouvi falar a primeira coisa q eu pensei era q parecia muuito com Battle Royale (se bem q eu não li o mangá, só vi o filme mesmo). Enfim, mesmo assim quero muito ler Jogos Vorazes xD
    Mais um comentário monster p/ sua coleção o/
    Beijos

    ResponderExcluir
  12. Ah que bacana hein estou lendo resenhas sobre esse livro estou doida pra ler

    Oi estava visitando alguns blogs e encontrei o seu blog adorei...
    Já estou seguindo

    http://marifriend.blogspot.com/
    @Storieandadvic
    Espero sua visitinha, adoraria que você seguisse também.
    Beijo

    ResponderExcluir
  13. Depois de séculos, eu apareço aqui... ¬¬ mas ok, falta de tempo é uma m#*$%...

    Como sempre, resenha MARAVILHOSA. Parabéns!

    Beijos e obrigada por estar sempre acompanhando os meus blogs!!

    http://twbmwbrazil.blogspot.com/
    http://itsnotbitter.blogspot.com/

    ResponderExcluir

© KURONEKO - 2015 | TODOS OS DIREITOS RESERVADOS | CRIADO POR YASMIN BERARDINELLI